Ultimamente tenho observado, que cada dia em minha vida, tem se mostrado de forma realmente surpree

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

MINHAS ENTRANHAS


Sinto que
Nas minhas entranhas
Estão todas as lembranças
Da carne em fogo
E o suor do amor
Arrepios no ventre
Ao teu toque lascivo
Tua mão de veludo
Em minha pétala maior
O cavalgar a vontade
Na saliva da paixão
Na ardência dos beijos
Nos apetecidos desejos
Beliscando minha pele
Arde e bate dentro de mim
Meus olhos distantes
Pedem os teus tão longe
Meus lábios mordidos
Ainda molhados tem sede
Desse amor sem fim!

M@ José

Um comentário:

Mary Cely disse...

olá poetisa muito lindo seu poema e muito obrigado por ser seguidora de meus blogs fechei eles por dois dias modificando coisas abraços
Mary Cely